Notícias

Cinco ideias pra receber novos estudantes

Iniciativa de diversos grupos de ABU, a recepção dos ingressantes pode ser criativa e útil

Todo início de ano (ou semestre), as faculdades recebem novos estudantes, muitas vezes ainda perdidos pelo campus. É nesse momento que grupos da Aliança Bíblica Universitária (ABU) de todo o país preparam diferentes formas de recepção pros novatos. Panfletos, jogos e até comida são algumas das iniciativas que visam acolher, servir e ajudar, além de divulgar o grupo.

Raíssa Santana, da ABU São Paulo (SP) e estudante de mestrado na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP), sentiu durante a graduação o chamado de Deus pra trabalhar com calouros, especialmente cristãos. Na época, ela não participava da ABU e iniciou um ministério. Agora em 2017, mesmo não ativa no núcleo de estudo bíblico por estar na pós, Raíssa cuidou de grande parte da recepção da FFLCH respondendo a esse chamado antigo.

Ela, que mora no interior, contou: “Precisei me deslocar algumas vezes durante as férias e ainda mais de trem, o que me tirou demais da minha zona de conforto. Se eu pudesse resumir essa experiência em algumas palavras seria isso: sair da zona de conforto. É difícil mobilizar as pessoas pra participar, mas vi como nossa faculdade é abençoada com muitos cristãos bacanas e que não medem esforços. Os dois dias foram intensos, mas a recepção foi perfeita.

Chame-os de “bixos”, “feras”, “calouros” ou “ingressantes”, juntamos aqui algumas ideias pra você preparar a recepção na sua faculdade e conhecer as iniciativas que aconteceram neste ano:

 

1. Faça ações criativas e divertidas

No núcleo da FFLCH, os estudantes prometeram um livro do curso pra quem acertasse quantos feijões havia dentro de um pote e assim colheram diversos contatos. Eles também estavam com plaquinhas e tiravam fotos dos calouros, assim como o pessoal do núcleo da Escola de Artes, Ciências e Humanidade (EACH), também da USP em São Paulo (SP). “Muitos deles tiraram foto com a plaquinha ‘Crer é também pensar’ e eu achei isso ótimo porque entraram na faculdade com essa ideia plantada no coração”, contou Raíssa.

O grupo da ABU Viçosa, por exemplo, publicou na página deles no facebook o espaço que montaram pra atraírem os novatos com cartazes e brincadeiras.

2. Entregue algo útil

Seja na matrícula ou no primeiro dia de aula, os estudantes são bombardeados de panfletos, muitos dos quais provavelmente vão pro lixo. Pra contornar isso e poder ajudar, o grupo da ABU Lorena (SP) teve uma ideia criativa: “Na matrícula, normalmente distribuímos uma régua especial com fórmulas muito importantes pra cálculo, já que aqui é uma escola de engenharia. Além disso, damos um panfleto com horários dos ônibus e os ‘cremosinhos’ (iogurte congelado)”, conta Paulo de Tarso Pupio, estudante do mestrado na USP da cidade. “No final das contas, basicamente todos os estudantes acabam usando as réguas, mesmo que não entendam exatamente de onde elas venham. E o horário de ônibus ajuda bastante.”

Na ABU São Paulo, mais especificamente o pessoal da USP, foi feito o Manual do Calouro, que pode ser conferido aqui. Além do visual criativo, que remete à tela do celular, há informações úteis, mapa da faculdade e os grupos de estudo bíblico com contatos. “Foi a parte que mais deu trabalho, mas o resultado foi incrível”, compartilhou Gabriel Piccoli, estudante da EACH.

Já o estudante Pedro Dias, da ABU Itajubá (MG), contou que na Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) foi entregue um panfleto com informações sobre a cidade, como restaurantes, imobiliária, farmácia, sem contar com dados sobre a universidade. Os abeuenses acabaram servindo como guias pra orientar os ingressantes. “É uma experiência muito massa porque ao ajudar os alunos ali de alguma forma, a menor ajuda que for, direcionar pra algum lugar ou conversar um pouco, estamos servindo a Deus e ao reino dele”, compartilhou Pedro.

3. Use tecnologias

É realmente difícil envolver muita gente na organização de uma recepção, seja porque a maioria dos abeuenses estão na sua cidade natal ou até por falta de contato e interesse durante as férias. Algumas faculdades ainda têm vários dias de matrícula. Neste caso, é possível pensar em ações na primeira semana de aula, mas e quanto às pessoas?

O pessoal da ABU São Paulo usou a tecnologia a seu favor. Gabriel conta que foi criado um grupo de WhatsApp pra facilitar a comunicação entre os representantes ou líderes dos núcleos na USP e foi criada uma planilha no Google Docs pra que as ideias e o cronograma de atividades fosse exposto a todos. A tecnologia não substitui o pessoal, houve ainda uma reunião presencial, mas seu uso facilita o contato, a organização e a divulgação do trabalho a ser feito.

 

4. Participe da programação oficial

A ABU Lorena conseguiu, de acordo com Paulo de Tarso, um espaço na programação da semana de recepção pra apresentar o movimento. “Também fazemos uma confraternização à parte, pra interação entre os novos e velhos alunos”, comenta.

No dia de palestras sobre a EACH, o grupo de lá também conseguiu 15 minutos como as demais entidades. Nesses espaços oficiais, o movimento pode ser divulgado e os veteranos colocarem-se à disposição.

5. Fale da ABU

Como focamos em acolher e servir os novos estudantes, muitas vezes esquecemos de falar quem somos e porque estamos ali. Mas vale aproveitar o momento e lembrar desse detalhe.

A estudante Danielle Limeira Silva contou que a ABU João Pessoa (PB)  recebeu os “feras” da Universidade Federal da Paraíba com panfletos explicativos, que tinham contatos da ABU: “Enquanto entregávamos, também falávamos um pouco da ABU e convidávamos pra os núcleos. Foi uma experiência bem interessante falar com as pessoas sobre os estudos bíblicos. O que me chamou mais a atenção foi a disponibilidade em ouvir das pessoas que achei que seriam mais difíceis. Além disso, encontramos pessoas que já participaram de algum estudo bíblico na universidade e muitos alunos da noite se interessaram em participar dos estudos, o que reforçou nosso desejo de abrir núcleos no turno da noite.”

Na FFLCH, “o pessoal do Centro Acadêmico participou conosco orientando os calouros a tirar foto com as plaquinhas e inclusive foram até nós pra saber o que estávamos fazendo na maior paz”, disse Raíssa. Já na EACH, os abeuenses mostravam a folha com o contato de todos no manual ao entregarem-no.

 

E aí, inspirados? A recepção dos ingressantes é um ótimo momento pra mostrar a hospitalidade cristã e servir à nossa universidade. Como diz o escritor de Hebreus, “não se esqueçam da hospitalidade; foi praticando-a que, sem o saber, alguns acolheram anjos” (13:2).

Além disso, é uma ótimo forma de alcançar novos estudantes cristãos. Raíssa ressalta que eles também precisam de atenção: “Não somos mais fortes, super humanos... o cuidado é necessário”. Ela também contou que uma menina que participou da Aliança Bíblica de Secundaristas (ABS) ficou muito feliz e empolgada ao encontrar o grupo na atividade.

São encontros assim que ajudam na continuidade na missão da ABU Lorena, por exemplo. E a ABU Itajubá também vê neles a possibilidade de avisar os outros cristãos que, ainda que não participem da ABU, “tem alguém ali pra ajudar e apoiá-los”, contou Pedro. “Compensa todo o tempo no sol e as queimaduras esperando os ‘bixos’ passarem por ali.”

O grupo da ABU João Pessoa, por sua vez, espera atrair mais estudantes, cristãos ou não, pra suas reuniões: “A recepção foi um momento enriquecedor e desafiador pra mim e acredito que também pra todo o grupo. Esperamos que possamos colher os frutos nos núcleos de estudo bíblico”, disse Danielle.

Nenhum Comentário

Comentar

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
CAPTCHA
O teste abaixo serve para verificar se você é um ser humano e para prevenir submissões automáticas de spam.